terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Produção de ônibus é a mais baixa em 16 anos

As fabricantes de carrocerias de ônibus do País tiveram, em 2016, o pior nível de produção dos anos 2000. O setor, que tem 50% da produção concentrada no Rio Grande do Sul, montou 14.111 unidades no ano passado, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (Fabus). 

O resultado ficou 18% abaixo de 2015, quando os fabricantes produziram 17.157 unidades. É o quinto balanço seguido com variação negativa. Em 2011 o setor atingiu o auge de produção, com 35.531 carrocerias. A diferença entre os dois limites é de quase 60%, ou seja, 21.420 unidades. 

Em 2016, foram exportados 4.242 ônibus, representando 30% da produção, em alta de 11%. Desde 2009, as indústrias não conseguem avançar muito os embarques. De 2000 até 2008, os números oscilaram na média de 6 mil, chegando ao auge de quase 8 mil em 2005 e 2004. No melhor ano do setor, em 2011, as exportações responderam por 11% da produção. 


As sucessivas quedas nos últimos cinco anos, em especial a de 2015 na comparação com 2014, na ordem de quase 40%, foram determinantes para uma série de mudanças no setor, em especial no Rio Grande do Sul. A Marcopolo, líder do setor com 36% de participação no ano passado, adotou sistema de flexibilização de jornada, com redução de horas trabalhadas para compensação futura nas unidades de Caxias do Sul, e licenças para os trabalhadores de Duque de Caxias (RJ), além de reduzir os quadros. A marca produziu 5.143 unidades, queda de 27%. Em Caxias do Sul, os números ficaram muito próximos de 4,3 mil ônibus, com diferença negativa de apenas 3%. 

Como forma de compensar as fortes perdas internas, a empresa investiu em ações para elevar as exportações. O volume somou 2.195 unidades, a quase totalidade produzida em Caxias do Sul, representando 51% do total nacional, em alta de 42% sobre 2015. A organização alienou parte do investimento que tem na canadense New Flyer Industries, gerando entrada de caixa de R$ 339,9 milhões no ano passado, e assumiu integralmente o controle acionário da San Marino/Neobus, também sediada em Caxias do Sul. A Neobus apurou produção de 1.519 veículos no ano passado, recuo de 22%. 


Outra fabricante gaúcha, a Comil totalizou a produção de 1.235 unidades, com variação negativa de 42% sobre o ano de 2015. Dentre as medidas adotadas para fazer frente à crise, a empresa fechou a unidade que tinha construído em Lorena (SP), que exigiu aporte na casa de R$ 100 milhões; paralisou por tempo determinado a produção em Erechim, requereu recuperação judicial e reduziu drasticamente o número de trabalhadores - só em setembro passado foram dispensados 850. 

Para 2017, o setor projeta uma leve retomada, apesar de o quadro de incertezas políticas ainda impedir otimismo mais consistente. Um dos avanços é o projeto do governo para estimular a compra de 9 mil veículos urbanos por meio da liberação de R$ 3 bilhões em financiamentos pela Caixa Federal. As indústrias também esperam que as operadoras do transporte rodoviário interestadual e internacional invistam na compra de 2,5 mil unidades em razão das alterações nas regras de exploração das linhas, agora na forma de regime de autorização e não mais de concessão. 

Produção de ônibus (em unidades) 

2016 - 14.111 
2015 - 17.157 
2014 - 27.967 
2013 - 32.693 
2012 - 32.548 
2011 - 35.531 
2010 - 32.598 
2009 - 24.893 
2008 - 31.531 
2007 - 28.239 
2006 - 24.478 
2005 - 22.231 
2004 - 21.681 
2003 - 18.891 
2002 - 15.103 
2001 - 16.844 
2000 - 17.001

Nenhum comentário:

Postar um comentário