quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Após propina, MT estuda plebiscito para definir futuro do VLT em Cuiabá

Previsto para estrear na Copa de 2014 e inacabado até hoje, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Cuiabá pode ter seu destino definido pela vontade da população mato-grossense. O governo de Mato Grosso estuda a realização de uma consulta popular para definir se continua a obra, que já custou R$ 1,066 bilhão, ou se abandona o modal e adere ao Bus Rapid Transport, o BRT.

Foto: Secopa

A decisão é resultado da Operação Descarrilho, deflagrada na semana passada pela Polícia Federal. Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) admitiu que seu grupo político fez acordo para receber R$ 18 milhões em propina das empresas que tocariam a obra.

Diante da revelação, o governo de Pedro Taques (PSDB) decidiu interromper a negociação para retomada das obras, que consumiriam quase R$ 1 bilhão a mais.

"Nós não podemos tomar uma decisão isolada em um projeto em que já foi gasto R$ 1 bilhão. Essa decisão deve ser compartilhada com a população, em uma consulta popular", disse o chefe da Casa Civil José Adolpho.

Com o plebiscito, caberia à população decidir se o governo finaliza o VLT ou se vende os 40 vagões do modal e implementa o BRT, alternativa que custaria em média R$ 600 milhões.

O curioso é que, quando Cuiabá foi escolhida cidade-sede da Copa de 2014, a principal obra de mobilidade urbana prevista era o BRT, inicialmente orçado em R$ 423 milhões, com recursos federais.

A partir de 2011, sob pressão de deputados estaduais, o governo passou a considerar o VLT e concretizou a troca em 2012, com o valor inicial de R$ 1,2 bilhão, mais de R$ 700 milhões a mais.

Além do plebiscito, as alternativas analisadas incluem romper o contrato com o consórcio atual e convocar a segunda ou terceira colocada no processo licitatório de 2012 para a conclusão das obras, que estão paralisadas desde o final de 2014.

Em último caso, o Estado poderia firmar um acordo de leniência com o próprio Consórcio VLT, mas existe uma resistência da própria base aliada e de membros do próprio Executivo, já que o consórcio pagou propina ao ex-governador.

Composto por duas linhas (Aeroporto-CPA e Coxipó-Porto), com total de 22 km, o VLT prevê 33 estações de embarque e desembarque e três terminais de integração, localizados nas extremidades do trecho, além de uma estação para integração com ônibus. O modal teria 40 composições, com 280 vagões, cada um com capacidade para até 400 passageiros.

OPERAÇÃO DESCARRILHO

Deflagrada pela Polícia Federal na quarta-feira (9), a Operação Descarrilho apura fraudes no processo de escolha do modal de transporte. Agentes federais cumpriram 18 mandados, sendo 17 de busca e apreensão e uma condução coercitiva do ex-secretário Extraordinário da Copa do Mundo, Maurício Guimarães.

A operação foi realizada com base no termo de delação premiada do ex-secretário chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf e, principalmente, no depoimento do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

Silval revelou que o objetivo da propina seria garantir o retorno de até R$ 27 milhões para pagar dívidas de campanha eleitoral de 2010.

OUTRO LADO

Por meio de nota, o Consórcio VLT disse que está analisando às denúncias e que "tem total interesse na elucidação de denúncias que envolvam executivos, colaboradores e atividades das empresas consorciadas, mantendo-se, para tal, à disposição da Justiça e autoridades competentes para quaisquer esclarecimentos." 

Folha de SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário