terça-feira, 8 de agosto de 2017

Associação Nacional alerta empresas de ônibus a tomarem cuidado com Refrota

O Diário do Transporte revelou com exclusividade na semana passada que o primeiro financiamento do Refrota, programa com recursos de R$ 3 bilhões do FGTS para substituição de ônibus urbanos com juros mais baixos, registrou problema por causa de uma cláusula pouco esclarecida pela Caixa Econômica Federal – CEF.

A linha de financiamento é atrelada somente à quantidade de ônibus estipulada no momento da adesão da empresa ao Refrota e não o valor total dos veículos.

Mas como os recursos demoram para sair, no período entre a assinatura da proposta de adesão e a liberação do dinheiro, pode ocorrer aumento nos preços dos chassis e carrocerias, tornando insuficiente a verba disponibilizada para o financiamento.

Diante desta situação, a NTU -Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, que reúne mais de 500 viações no país, enviou circular para todas associadas orientando os donos de empresas de ônibus a tomarem cuidado com o Refrota.

A orientação é que as empresas de ônibus façam uma nova cotação dos veículos quando houver resposta positiva da Caixa Econômica Federal sobre a liberação do dinheiro e não assinem o contrato caso os recursos não sejam suficientes para a compra da frota estipulada. As alternativas são pedir à Caixa uma revisão de valores, da quantidade de ônibus e, se não houver acordo, desistir do financiamento.

O problema ocorreu com o único contrato assinado até agora envolvendo a empresa de ônibus Suzantur, que opera os transportes municipais em Mauá, na Grande São Paulo.

A companhia conseguiu R$ 30,3 milhões para 100 ônibus, sendo que R$ 28,7 milhões financiados e R$ 1,5 milhão de contrapartida da empresa.

O dinheiro demorou quatro meses para sair entre as primeiras negociações e a resposta positiva da Caixa. Quando saiu, as carrocerias e chassis já estavam mais caros e os R$ 30,3 milhões não foram mais suficientes para 100 ônibus. A empresa perdeu nessa, mais de R$ 3 milhões.

Diário do Transporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário