domingo, 27 de agosto de 2017

Falta de fiscalização e manutenção motivam baixa durabilidade de estradas, aponta estudo da CNT

Foto: Assessoria/Aprosoja-MT
A falta de recursos para obras de construção, fiscalização e manutenção é a principal causa da baixa durabilidade das rodovias brasileiras, aponta estudo da Confederação Nacional do Transporte (CNT).

De acordo com a entidade, o Brasil ocupa o 111º lugar em um ranking com 138 países feito pelo Fórum Econômico Mundial e que mediu a qualidade das rodovias.

Na média, diz a CNT, o pavimento aqui é projetado para durar entre 8 e 12 anos, enquanto nos EUA, que ocupa o 13º lugar no ranking, a malha é projetada para durar cerca de 25 anos.

Ao projetar rodovias para durar menos, o Brasil faz com que o custo de construção delas seja mais baixo. Entretanto, problemas como a falta de manutenção fazem, geralmente, com que elas comecem a apresentar problemas antes do previsto e durem menos, diz a CNT.

Além disso, a necessidade de fazer obras para corrigir esses problemas acabam, no final, encarecendo essas rodovias.

Segundo a CNT, 12,3% das rodovias brasileiras são pavimentadas, o equivalente a 211.468 quilômetros.

O desgaste, diz o estudo, é a principal deficiência encontrada no pavimento das estradas brasileiras sob gestão pública e cresceu nos últimos anos: entre 2004 e 2016, o percentual de trechos desgastados passou de 13% para 49%.

"Enquanto isso, o índice de pavimento perfeito no país caiu de 48% para 32%, no mesmo período, também na gestão pública", diz a CNT.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário