sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Mercedes-Benz comemora a marca de 3 milhões de motores produzidos no país

A Mercedes-Benz do Brasil está em festa. No final de outubro a empresa alcançou a marca histórica de produção de 3 milhões de motores para caminhões e ônibus no país.

Divulgação
O número remete ao volume acumulado desde 1956, quando a empresa foi pioneira na fabricação do primeiro propulsor a diesel nacional.

O motor símbolo desse marco é o pesado OM 457 LA, fabricado na planta de São Bernardo do Campo, local onde foi produzida a primeira unidade que equipava o clássico caminhão L-312, o “Torpedo”.

Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina, diz que “nenhum outro fabricante de veículos comerciais chegou a esse volume de produção no País. É com muito orgulho, satisfação e emoção que compartilho esse momento histórico e especial com toda a nossa equipe de colaboradores e com os fornecedores”.

Segundo Schiemer, no que tange ao desenvolvimento e produção de motores, a Empresa tem papel relevante na consolidação do produto nacional e das indústrias do setor. “De forma pioneira, a marca introduziu o conceito diesel no Brasil, há 61 anos, quando inaugurou sua fábrica de caminhões e ônibus. Desde então, não parou de aprimorar seus produtos e de inovar, como fez quando lançou o primeiro motor eletrônico de veículos comerciais e introduziu a tecnologia BlueTec 5”, ressalta Schiemer.

Os motores da Mercedes equipam caminhões de todos os segmentos, desde os leves e médios, passando pelos semipesados até os extra pesados. Abrangem toda a linha de chassis de ônibus urbanos e rodoviários.

Carlos Santiago, vice-presidente de Operações da Mercedes-Benz do Brasil, conta que a empresa hoje conta com uma linha de montagem para a família OM 900 de 4 e 6 cilindros, “atendendo às legislações Euro 3 a Euro 5, com faixas de potência entre 156 e 326 cv. Uma outra linha responde pela montagem de motores da família OM 400 de 6 cilindros, Euro 3 a Euro 5, com potência entre 345 e 510 cv”.

Esses motores atendem o mercado brasileiro e equipam também veículos que são exportados para cerca de 60 países em vários continentes.

A Empresa também fornece motores a diesel a outras unidades do Grupo Daimler.

A partir de agosto deste ano, passou a exportar o OM 460 Euro 3 para a planta alemã da Daimler em Wörth, na Alemanha, para utilização no caminhão rodoviário Actros e nos fora de estrada Arocs e Zetros. Esses veículos são exportados para mercados da África e Oriente Médio.

Em 2013, a Empresa passou a enviar motores médios OM 900 para a Daimler Buses de Monterrey, no México. Em 2001, efetuou as primeiras exportações de propulsores brasileiros, os pesados OM 400 para a Detroit Diesel, nos Estados Unidos.

De 1956 até 1990, produziu motores leves e médios, e de 1991 em diante começou a fabricar os pesados.

No ano de 1998, também de forma pioneira, a Mercedes-Benz lançou os primeiros motores diesel eletrônicos do Brasil. E em 2005, iniciou a produção de remanufaturados da linha RENOV, para o mercado de reposição, em sua unidade de Campinas, interior paulista.

Carlos Santiago conta que em 2006 a Mercedes bateu o recorde de produção no Brasil, “com 110 mil motores produzidos apenas naquele ano. Alcançamos 1 milhão de motores em 1984. Depois, chegamos aos 2 milhões em 2004”, diz.

Hoje a Mercedes-Benz do Brasil é a maior e mais tradicional fabricante de caminhões e ônibus da América Latina, sendo a unidade da Empresa em São Bernardo do Campo a maior planta da Daimler fora da Alemanha para veículos comerciais Mercedes-Benz. É também a única planta da Daimler a produzir, numa mesma unidade, caminhões, chassis de ônibus e agregados, como motores, câmbios e eixos.

A Empresa é ainda a maior exportadora de caminhões e ônibus do Brasil e conta com o maior Centro de Desenvolvimento Tecnológico de veículos comerciais da América Latina. Além disso, é o Centro Mundial de Competência da Daimler AG para desenvolvimento e produção de chassis de ônibus da marca Mercedes-Benz, bem como pólo de desenvolvimento da Daimler Trucks.

Diário do Transporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário