domingo, 24 de dezembro de 2017

A trajetória da Expresso Oceano

Informação do portal Busão de Natal confirmou a incorporação da Expresso Oceano pela có-irmã Transportes Guanabara

Expresso Oceano: empresa chega ao fim

Mais uma empresa de transporte coletivo do Rio Grande do Norte chega ao fim. Desta vez, foi a Expresso Oceano, que, segundo o portal Busão de Natal, foi incorporada pela Transportes Guanabara – sua proprietária. Até então, as empresas, que pertencem ao mesmo grupo empresarial, eram divididas de acordo com suas operações: a Guanabara era responsável pelas linhas urbanas em Natal, e a Oceano cuidava das linhas semi-urbanas, metropolitanas e intermunicipais, ligando Natal a cidades vizinhas. A partir de agora, a Guanabara será a responsável por todas as operações.

A Oceano foi criada em meados dos anos 1990. Até então, a divisão da operação de linhas pelo grupo ocorria apenas entre Guanabara – que operava linhas urbanas e semiurbanas – e a TranSul para as linhas intermunicipais. A criação da Oceano unificava a operação intermunicipal da Guanabara, diferenciando da área urbana – que ficou com a Guanabara.

 

Operação de linhas intermunicipais retornam à Guanabara

O grupo foi pioneiro na divisão da operação – o que ao longo dos anos 2000 foi seguido por outras empresas, como a Santa Maria e Via Sul, que criaram novas razões sociais e até mudanças operacionais (como código dos ônibus, no caso da Santa Maria) para diferenciar as atuações urbanas e da grande Natal. Há o caso ainda mais emblemático da Cidade das Dunas, que passou a se dedicar às linhas intermunicipais e criou outra empresa, a Cidade do Natal, só para a operação urbana, em 2007. Agora, a Guanabara segue o caminho inverso, unindo as operações de volta a apenas uma empresa.



Ao longo de sua existência, a empresa teve uma frota composta de carros comprados zero quilômetro, e de veículos repassados da proprietária Guanabara. Além deles, também havia os veículos rodoviários – que, dentro do grupo, eram conhecidos como “Oceano Sul”, fazendo referência às linhas rodoviárias operadas pela empresa, herdadas da antiga TranSul. Atualmente, a área rodoviária da empresa conta apenas com a linha Natal X Pipa, um dos principais destinos turísticos do Rio Grande do Norte.


 


 

No início de suas operações, os veículos urbanos tinham a pintura com predominância da cor amarela. Os rodoviários tinham predominância da cor branca, com os para-choques pintados de azul. Em meados de 2006, a empresa resolveu padronizar a pintura branca nos veículos. Alguns ônibus chegaram a ser reformados e passaram a receber a mesma pintura dos ônibus rodoviários.

 

Entre as renovações compradas zero quilômetro pela Expresso Oceano, a empresa teve as carrocerias Picollo, S21, VIP I e Foz Super da Induscar Caio, além de Senior GV, Torino, Senior GVII e Senior Midi, da Marcopolo. A última renovação com ônibus de fábrica foram unidades do Foz Super II, da Caio Induscar, em 2011. A empresa também teve as carrocerias Vitória, Alpha, Urbanus, Urbanuss e Spectrum, repassados da Guanabara ou comprados usados. Entre os chassis, Mercedes-Benz, Volkswagen e Scania fizeram parte da frota da empresa. Já na Oceano rodoviária, diversas carrocerias das marcas Marcopolo e Busscar fizeram parte de sua frota.


Atribuindo concorrência ilegal de clandestinos, em 2009 a empresa deixou de operar diversas linhas metropolitanas e rodoviárias, como, por exemplo, Genipabu/Natal, Ceará-Mirim/Natal (centro) e Nova Cruz/Natal, via Goianinha, se concentrando nos destinos mais vantajosos financeiramente e reduzindo significativamente sua atuação. As linhas semi-urbanas, na qual a empresa utiliza o mesmo sistema de bilhetagem de Natal desde que foi lançado, em 2005, e que têm boa parte dos trajetos semelhantes às linhas urbanas não tiveram modificações.


Entre 2010 e 2011, quando a Transportes Guanabara foi vendida ao grupo pernambucano da Empresa Metropolitana, a Oceano foi vendida conjuntamente. Desde então, as empresas passaram a ter o mesmo layout e receberam ônibus vindos de Pernambuco como forma de diminuir a idade média de suas frotas. Após a venda, apesar de a Guanabara ter recebido veículos novos em três ocasiões, a Oceano não recebeu nem um ônibus de fábrica.


A decisão de encerrar as atividades da Oceano foi tomada pelo atual grupo que a administra, a empresa Metropolitana. Ainda de acordo com o Busão de Natal, a Guanabara assume a operação das linhas Oceano e todos os seus funcionários, assegurando os direitos trabalhistas e previdenciários de todos. Segundo o site, a frota que pertenceu a Oceano deve circular com o nome da empresa até os primeiros meses de 2018, quando os veículos serão descaracterizados e ganharão o nome Guanabara.


Apesar do fim das atividades, a Oceano e Guanabara dividiam as mesmas garagens, administração e estrutura.

O Busão de Natal informou ainda que o último dia de atividade útil da Oceano foi na última quinta-feira, 21 de dezembro, data em que o registro da empresa foi encerrado na Junta Comercial do Estado, transferindo as atividades da Oceano para a Guanabara.


Fotos: Acervo UNIBUS RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário