domingo, 17 de dezembro de 2017

Empresas de ônibus de BH querem reajuste de 10,5% na tarifa, e prefeito Kalil diz não

O cálculo é das empresas de ônibus de Belo Horizonte, reunidas no Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH): a tarifa do transporte coletivo da capital mineira precisa ser reajustada em 10,55%. Caso o reajuste aconteça com esse porcentual, a passagem saltaria dos atuais R$ 4,05 para R$ 4,50.

A BHTrans, que gerencia o setor de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte, afirma que a solicitação foi encaminhada pelo sindicato em um ofício recebido na tarde desta sexta-feira (15).

O SETRA-BH (Setra-BH) afirma que o índice de reajuste solicitado foi calculado conforme previsto em contrato, com base em fórmula paramétrica. Em nota à imprensa a BHTrans informou “que vai estudar a proposta”, sem dar prazo para a decisão.

Já o prefeito Alexandre Kalil (PHS) foi direto, e mandou a resposta em comentário postado numa rede social: “Aumento de 10,5% na tarifa? Calma, gente. Belo Horizonte tem Prefeito”.


O último reajuste no valor da tarifa de ônibus em BH (de 9,04%) foi anunciado em 30 de dezembro de 2016, e passou a valer no dia 3 de janeiro de 2017.

PREFEITO KALIL REAGE A PEDIDO DE REAJUSTE

“Não (vou deixar isso). Quem manda na prefeitura é o prefeito”. Foi assim, através do twitter, que o prefeito de BH, Alexandre Kalil, respondeu ao pedido dos empresários de ônibus para o reajuste de mais de 10% no valor da tarifa.

Os empresários, cujos representantes se reuniram com Alexandre Kalil na Prefeitura de BH nesta quarta-feira (13), argumentam que o aumento é necessário para compensar o aumento do custo operacional, e citam os reajustes do óleo diesel como um dos exemplos, que subiu 13,24% em 2017.

Após sua posse, Kalil determinou a realização de uma auditoria nas empresas de ônibus que operam em Belo Horizonte. O edital acabou saindo no segundo semestre, mas acabou travado por uma liminar. Conforme noticiamos no dia 11 de outubro, o juiz Wauner Batista Ferreira Machado, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, determinou a suspensão da licitação, acolhendo uma ação civil pública movida por um estudante e aceita pelo magistrado: a prefeitura descumpriu o rito de publicar a licitação no Diário Oficial do Estado.

Os envelopes deveriam ter sido abertos no dia 10 de outubro de 2017.

Em julho o prefeito de BH se manifestou sobre o tema, com o mesmo discurso: qualquer reajuste estava condicionado a uma auditoria no sistema de transporte público, fato que até hoje não se consumou.

Nesta mesma ocasião o prefeito tuitou: “Se não abrir a caixa preta da BHTRANS, ninguém mexe em preço de passagem. Azar da burocracia e dos empresários de ônibus.”

O atual contrato de ônibus é de 2008.

Diário do Transporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário