quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Empresas são obrigadas a retirar 291 ônibus “antigos” de São Paulo e têm um mês para repor

As empresas de ônibus da capital paulista foram obrigadas no dia 31 de dezembro a encostar definitivamente 291 coletivos que estavam circulando com mais de dez anos de fabricação, o que é proibido pelos contratos de operação.

Entre estes veículos, estão os chamados PBC – Piso Baixo Central com dez anos ou mais, que são aqueles que têm escadas nas portas da frente e de trás, mas no interior, há degraus para a parte do meio que é rebaixada. Abaixo desta idade, continuam no sistema até completarem os dez anos de operação.

Atualmente, a maior parte dos ônibus de motor traseiro com o padrão da SPTrans são LE- Low Entry, com piso baixo da frente até a metade.

Segundo a SPTrans – São Paulo Transporte, a obrigatoriedade não vai fazer com que faltem ônibus neste mês de férias, cuja a frota programada é menor,  mas para não haver este problema com o retorno da escala normal, as empresas têm até o dia 31 de janeiro para repor todos estes veículos.

A gerenciadora dos transportes ainda acrescentou que em todo o ano de 2017, as empresas colocaram 1100 ônibus novos em circulação.

Mesmo assim, a idade média dos ônibus de São Paulo é uma das mais altas desde 2003. Em novembro, antes destes ônibus com mais de dez anos serem baixados, a frota do subsistema estrutural (das viações de linhas e veículos maiores) tinha idade média de 6 anos e 1 mês e a frota das ex-cooperativas no subsistema local tinha idade média de 5 anos e 1 mês. Os dados são dos indicadores da SPTrans.

Na nota, a gerenciadora ainda ressalta o processo de licitação dos transportes na cidade que está em fase de consulta pública.

Confira na íntegra:

A SPTrans determinou, em junho do ano passado, que 12 operadoras do sistema de transporte coletivo retirassem de circulação 291 ônibus com idade máxima acima da permitida contratualmente. Os operadores foram comunicados com seis meses de antecedência e os veículos foram definitivamente excluídos da frota em 31 de dezembro.  Essa medida atingiu veículos modelo Piso Baixo Central, retirados da frota pela idade máxima e não pelo modelo.

A medida não interfere na frota mínima em operação e foi planejada para o mês de janeiro, justamente quando já ocorre habitualmente adequação de frota e partidas programadas ao período de férias escolares na cidade. Os operadores têm até o fim de janeiro para substituir todos os veículos descredenciados do sistema.

O sistema de transporte coletivo conta, atualmente, com uma frota de 14.444 ônibus, sendo 13.315 deles acessíveis, ou seja, 92% do total. Cada veículo novo incorporado à frota tem de ser obrigatoriamente acessível, em um processo de renovação gradativo até atingir 100% da frota.

Mais de 1.100 ônibus novos

É importante ressaltar que, em 2017, mesmo antes da licitação do sistema, foram incorporados mais de 1100 ônibus novos na frota da cidade, o que representa uma renovação maior do que a registrada nos últimos anos. Todos os veículos novos obedecem especificações técnicas exigidas pela SPTrans, têm acessibilidade, espaço para cadeiras de rodas e são equipados com ar-condicionado e tomadas USB, entre outros itens.

 A SPTrans informa que o novo edital de licitação do sistema de transporte coletivo está disponível para consulta pública até 3 de fevereiro. A Prefeitura está aberta para receber sugestões sociedade civil, entidades ligadas à mobilidade e passageiros que desejem contribuir para a melhoria do sistema. A consulta pública está disponível no link: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/transportes/edital

Diário do Transporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário