sábado, 10 de fevereiro de 2018

Com obras que se arrastam há seis anos, BRT de Belém já está deteriorado

Foto: Fernando Araújo
Com as obras inacabadas do BRT Belém, o investimento aplicado no projeto até o momento se perde com o tempo. Devido à demora na conclusão da construção e a falta de manutenção das etapas finalizadas, a via expressa, as estações e o próprio canteiro central da avenida Almirante Barroso estão em condições ruins.

No cruzamento da via com a avenida Júlio César, por exemplo, duas crateras se formaram na faixa do ônibus expresso, no sentido Entroncamento – São Brás. O trecho foi inaugurado no segundo semestre de 2016, mas com o forte impacto dos veículos que trafegam, geralmente em alta velocidade, o concreto se desgastou. Com espaço estreito, também torna complicado o desvio dos ônibus. O mesmo problema é encontrado em outras partes da via, como no Entroncamento, perto do elevado, sentido São Brás – Icoaraci, onde a estrutura já apresenta fissuras.

O DIÁRIO percorreu cerca de sete quilômetros desde o início da Almirante até a estação Marambaia, na avenida Augusto Montenegro, e constatou que todas as demais estão pichadas. Poucas estão em funcionamento, ainda com pouco movimento. Estão fechadas as da Tuna Luso, Império Amazônico, duas na Mauriti, duas na Humaitá e as três da Tavares Bastos, sendo que uma delas está com a vidraça quebrada, coberta apenas com madeira. Rampas de algumas estações também servem de abrigo para moradores de rua, como Império e Lomas. Boa parte das cercas que dividem a via expressa da Almirante estão danificadas e há trechos longos sem a proteção. O canteiro central da avenida por onde trafegam ciclistas e pedestres também está abandonado, pois há sujeira e mato por todo lado.

DÚVIDAS

O cenário gera preocupação. “Uma obra tão cara que nunca termina está praticamente largada. Será que concluída vai funcionar?”, questiona Antônio Carlos da Silva, 47, promotor de eventos. “Ainda não estamos usufruindo e já está desse jeito”, completa.

Mas há quem torça para que o projeto atinja o objetivo. “Essa obra tem gerado muitos transtornos para a população. Espero que o BRT funcione. Enquanto isso, deveria ser mais organizado”, diz Gleice Nascimento, de 30 anos, operadora de caixa.

Prefeitura diz que já fez um levantamento para tapar as crateras da via

Em nota, a Secretaria Municipal de Urbanismo (Seurb) informa que as obras do BRT seguem em andamento no perímetro entre a avenida Independência até o distrito de Icoaraci, que estão divididas em dois trechos. Da Independência ao bairro do Tapanã, a canaleta já foi concluída. O viaduto Independência está em finalização, com previsão de liberação em março. 

A Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém, responsável pela operação do sistema BRT, informa que do Terminal Mangueirão ao Terminal São Brás estão em operação, além dos próprios terminais, outras três estações. As demais estações passarão a funcionar quando a parte de sistema e T.I. for entregue pela Companhia de Tecnologia da Informação de Belém (Cinbesa). 

A respeito das crateras na via expressa, a Seurb diz que já notificou a empresa responsável pela obra para fazer os reparos e manutenção necessário.

Diário do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário