terça-feira, 31 de julho de 2018

Atentados em Fortaleza: 14 ônibus e 8 prédios atacados

A morte de três suspeitos de envolvimento em assaltos a ônibus e carros-forte na quinta-feira, 26, em Amontada, a 168 Km de Fortaleza, foi a motivação dos ataques registrados na sexta-feira, 27, e no sábado, 28. A informação foi divulgada pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), em coletiva na manhã de ontem. Três homens suspeitos de envolvimento nos atentados foram presos no sábado.

Foto: José Leomar

As ações violentas cessaram ao longo do dia no domingo, mas foram novamente registradas à noite. Um ônibus foi incendiado e alvejado no KM 23, na localidade de Boqueirão, em Caucaia. Os suspeitos teriam atiraram ainda contra o Posto Fiscal da Sefaz. No bairro Bonsucesso, em Fortaleza, a SSPDS confirmou outra ação contra um coletivo.

Antes dos novos ataques, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) divulgou que a circulação seria normalizada hoje, 30.

A secretaria confirmou 18 casos nos dois primeiros dias. E mais dois na noite de ontem. Segundo O POVO apurou, foram pelo menos 20 entre sexta e sábado. Segundo André Costa, titular da pasta, dez suspeitos foram encaminhadas para ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Gean Patrick Aguiar Lima, 19, foi capturado na tarde de sábado com um galão de gasolina, no Bairro Vila Ellery. Oderison dos Anjos Oliveira, 19, foi preso ao infringir o perímetro pertimitido pelo uso de tornozeleira eletrônica, na Sapiranga. Pedro Henrique Mesquita de Sousa, 27, foi apreendido no Cristo Redentor,com uma arma de fogo calibre 12 de fabricação artesanal.

Os outros sete suspeitos ouvidos não foram presos por falta de “elementos para flagrante” mas continuam sob investigação. “Temos filmagens envolvendo os presos. Temos outras pessoas identificadas que ainda estão nas busca”, disse. Além do depoimento dos apreendidos, outros elementos da investigação conforme Costa, confirmam a ligação entre as mortes e os ataques.

“Os envolvidos na ocorrência (em Amontada) eram pessoas com largos antecedentes criminais, uma história longa no crime, tinham uma certa posição de chefia ligada a um grupo criminoso aqui no Ceará e, por conta disso, houve essa reação. Exatamente pelo grau de importância que eles tinham dentro da organização criminosa”, explicou o secretário sobre a motivação. Francisco Adriano Martins da Silva, 33, conhecido como Macumbeiro, Francinei Nobre da Silva, 46, o Gangão, e José Sílvio dos Santos Vieira , 39, mortos na quinta-feira, estavam foragidos e com mandados de prisão em aberto.

SÉRIE DE ATENTADOS

Sexta-Feira - Pelo menos nove coletivos foram atacados. Foram realizados ainda disparos de arma de fogo contra a agência dos Correios, no bairro Jacarecanga, prédio do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), no São Gerardo, na sede da Secretaria Municipal de Segurança Cidadã, no Vila União. Também houve ataques contra a Regional IV, na Serrinha, e uma agência bancária, no Carlito Pamplona.

Sábado - Três veículos foram incendiados nos bairros Passaré, Carlito Pamplona e Cristo Redentor. Uma agência do banco Itaú, na av. Washington Soares, a Delegacia de Chorozinho e a sede da Pefoce também sofreram ataques.

O POVO - CE

Nenhum comentário:

Postar um comentário