Header Ads

Uber anuncia prejuízo de US$ 5,2 bilhões e seu ritmo mais baixo de crescimento

A Uber estabeleceu dois recordes trimestrais dúbios na quinta-feira (8), ao anunciar seus resultados: o maior prejuízo de sua história, superior a US$ 5 bilhões (R$ 19,7 bilhões), e o ritmo de crescimento mais lento que ela já registrou.

Foto: Fernanda Carvalho/Fotos Públicas - Ilustração

O duplo choque imediatamente renovou as questões sobre as perspectivas da companhia, a maior empresa mundial de serviços de carros. A Uber vem sendo prejudicada por preocupações quanto às vendas lentas e sobre sua capacidade de sair do vermelho, o que foi agravado por uma abertura de capital decepcionante em maio.

Para o segundo trimestre, a Uber anunciou prejuízo de US$ 5,2 bilhões (R$ 20,4 bilhões), o mais alto desde que ela começou a divulgar dados financeiros limitados, em 2017. A maioria dessa perda —US$ 3,9 bilhões (R$ 15,3 bilhões)— está relacionada a remuneração em ações paga pela Uber a seus empregados depois da oferta pública inicial.

Excluída essa despesa extraordinária, a Uber teve prejuízo de US$ 1,3 bilhão (R$ 5,1 bilhões), ou quase o dobro dos US$ 878 milhões (R$ 3,4 bilhões) em perdas que ela sofreu no período um ano atrás.

A receita cresceu para US$ 3,1 bilhões (R$ 12,2 bilhões). 14% ante o período em 2018, o ritmo mais lento de crescimento trimestral já anunciado pela companhia.

"Acreditamos que 2019 será nosso ano de pico de investimento", disse Dara Khosrowshahi, o presidente-executivo da Uber, em entrevista, apontando que espera que os prejuízos caiam nos dois próximos anos. "Queremos garantir que o tipo de crescimento que temos seja crescimento saudável".

Ele acrescentou que havia outros pontos positivos. Os "bookings" da Uber —o dinheiro que a empresa recebe antes de pagar comissões aos seus motoristas - subiram em 31% ante o ano anterior. A empresa também conquistou novos clientes, e pela primeira vez atingiu a marca de mais de 100 milhões de passageiros ativos.

Os resultados continuam a deitar uma sombra sobre a Uber, cujo crescimento no passado lembrava a ascensão de um foguete, no período em que a companhia estava desordenando os sistemas tradicionais de transporte e invadindo mercados em todo o mundo.

A oferta pública inicial de ações da companhia, que supostamente lhe conferiria valor de mercado de US$ 120 bilhões (R$ 472,8 bilhões), foi prejudicada quando a Uber caiu abaixo de seu preço de oferta de US$ 45 (R$ 177) por ação no dia inicial de operações, e ela só subiu cima dessa cotação por breve período desde lá.

Khosrowshahi foi criticado pela maneira pela qual a Uber abriu seu capital e enfrenta questões sobre como ele pretende promover uma retomada do crescimento.

"O que estamos procurando são provas de que a companhia é capaz de reacelerar o crescimento da receita, depois dos últimos trimestres", disse Tom White. vice-presidente sênior do grupo financeiro D.A. Davidson.

Um dos pontos fortes da companhia é seu serviço de entrega de comida, Uber Eats, que mais que dobrou o número de clientes que atende ao mês. A Uber, que na concorrência com a rival Lyft vem oferecendo corridas altamente subsidiadas para atrair passageiros, também viu uma atenuação da guerra de preços, o que pode resultar em mais receita.

"O ambiente competitivo, que piorou no segundo semestre do ano passado, está melhorando progressivamente agora", disse Khosrowshahi. Embora a Uber tenha reduzido seus descontos nas corridas, o negócio de delivery de comida continua altamente competitivo, e a empresa planeja investir mais agressivamente nisso, ele afirmou.

Na quarta-feira, quando a Lyft anunciou seus resultados financeiros mais recentes, a empresa disse que não teria prejuízos tão grandes como previa originalmente, em 2019.

THE NEW YORK TIMES
Folha de SP

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.