Header Ads

Ônibus desativados de São Paulo vão virar aço em Siderúrgica de Minas Gerais

Pela primeira vez, a Siderúrgica ArcelorMittal vai usar em escala veículos de grande porte que não têm mais serventia para produzir aço. A empresa de Minas Gerais fechou contrato com a JR Diesel, especializada na compra e venda de peças usadas e no desmanche de grandes veículos.


A siderúrgica comprou 57 ônibus que prestaram serviços na capital paulista e que já extrapolaram a idade máxima permitida pela SPTrans – São Paulo Transporte, responsável pelo gerenciamento do sistema.

A SPTrans permite a circulação de ônibus com até dez anos, mas durante os contatos emergenciais até a definição da licitação do sistema, os veículos com 11 anos passaram a ser admitidos, desde que passassem por vistorias bimestrais.

De acordo com estimativa da empresa mineira, o uso de ônibus e carros-fortes desativados pode render até 1,1 mil tonelada de aço que será aplicada na fabricação de fornos industriais.

A Siderúrgica ArcelorMittal pode se tornar uma das maiores clientes dos ônibus-sucata de São Paulo, onde vê o potencial de 2,5 mil coletivos urbanos para este fim.

Como mostrou o Diário do Transporte, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, promete que até o final da atual gestão, iniciada em 2017 pelo atual governador João Doria, em torno de seis mil ônibus municipais estarão trocados. O número já está em mais de quatro mil veículos.

Em média, a tonelada do aço reciclável custa entre R$ 450 e R$ 500 no mercado.

As peças dos ônibus que podem ser aproveitadas, como bancos, espelhos, volante e lanternas, serão vendidas no mercado formal de componentes usados.

Quanto aos carros-fortes, o índice de aproveitamento é menor. Por lei, estes veículos precisam ser desmanchados e não podem ser vendidos como usados, uma possibilidade que existe no mercado de ônibus.

A maior parte dos coletivos de São Paulo que vão virar forno é de motor traseiro com piso baixo, um tipo de ônibus que tem muito pouca aceitação no mercado de usados dependendo da data de fabricação.

Diário do Transporte

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.