Header Ads

Os ônibus Doubler Decker das empresas 1001 e Nordeste

Em parceria com a OCD Holding, Ônibus Paraibanos e com o Natal Buss

Auto Viação 1001 e Viação Nordeste: o que elas têm em comum? Além de ambas serem empresas que destacam por seus pioneirismos e qualidade ofertada no transporte rodoviário de passageiros, dois veículos já passaram pela frota das duas empresas. Foram os primeiros Doubler Decker (DD, como costumam ser chamados) da 1001, que também fizeram parte da frota da Nordeste, comprados pela empresa potiguar à viação carioca – com sede em Niterói, na Grande Rio de Janeiro.



Em 1998, ano em que a Auto Viação 1001 comemorava os seus 50 anos, foram adquiridos 10 Marcopolo Paradiso GV 1800 DD com chassi Scania K113 6X2, com prefixos de 9830 a 9830, para a operação das linhas do eixo Niterói X Rio de Janeiro X São Paulo. Um deles, o 9838, fez a viagem inaugural na linha Niterói X São Paulo, contando com um evento na rodoviária niteroiense.

O lançamento dos carros Double Decker - com quatro eixos, frigobar, comunicação com a cabine do motorista por interfone, câmeras de monitoramento e oferta de serviço diferenciado no mesmo veículo - foi mais uma das novidades lançadas pela 1001 no transporte rodoviário regular.


Até então, o passageiro  que optava por viajar em carro leito, tinha de fazê-lo a noite, já que não havia oferta desse serviço ao longo do dia. No Double Class - como era batizado o serviço dos DD's da 1001 - o primeiro piso abrigava a Primeira Classe com seis poltronas leito e, no piso superior, a Classe Executiva acomodava 40 poltronas semileito. Duas classes, duas tarifas, num mesmo veículo mais confortável e mais seguro.

Em um registro histórico, o Ônibus Paraibanos teve acesso a um vídeo que mostra os primeiros veículos DD da frota da 1001.


Na cerimônia, que contou com a presença de pessoas ilustres, o fundador da 1001, o sr. Jelson da Costa Antunes, adentrou em um dos primeiros Double Decker da empresa para conhecer o conforto que o novo ônibus oferecia para os clientes da 1001.


Na Viação Nordeste, os primeiros ônibus DDs chegaram à sua frota no início da década de 2000. Até então, a empresa ostentava uma frota nova, com veículos com baixa idade média e ofertando itens de conforto para os usuários.


Em 2001, foram adquiridas duas unidades do Panorâmico DD, fabricado pela Busscar, encarroçados em chassis Volvo B12B. Eles receberam os prefixos 0501 e 0502, e marcaram o transporte rodoviário do Rio Grande do Norte com sua imponência e qualidade ofertada naquele serviço.


O histórico dos bons serviços da empresa já era uma marca da Nordeste. Conforto e pontualidade eram aprimorados nos novos ônibus DDs, a partir das poltronas do tipo leito no piso inferior do ônibus DD, destinadas aos usuários que pretendiam desfrutar de uma viagem mais confortável e reservada. Já no piso superior, o salão era composto por poltronas executivas.



A combinação deu certo, agradou aos usuários, e foi ai que surgiu na frota da Nordeste, os ônibus adquiridos da Viação 1001: mais duas unidades de DDs, com as mesmas configurações de serviço leito e executivo, também passaram a fazer parte da frota da Nordeste. Mas a escolha agora era dos modelos GV1800DD, da Marcopolo. Ambos encarroçados com chassis Scania K-113TL 8x2.


A imponência dos ônibus, com seus quatro eixos, era ainda maior.


Na frota da 1001, eles tinham os prefixos 9833 e 9838. Já na Nordeste, eles receberam reformas com modificações e acessórios que atualizou a carroceria para a “Geração 6” da Marcopolo. Na prática, a frente e a traseira dos veículos foram modificadas, deixando os ônibus como sendo o “Paradiso G6” (e não o GV, como eram originalmente). Receberam os prefixos 1000 e 1010.


Ao longo dos anos, tanto os veículos adquiridos seminovos da 1001, quanto os demais DDs que fizeram parte da frota – já que outros veículos do tipo também foram adquiridos pela Nordeste – receberam atualizações de laoyot, com mudanças diversas nas suas pinturas e numerações, sempre mantendo a cor amarela, marca da empresa.

Foram os DDs que contribuíram, em muito, para a continuidade da empresa ao longo da crise enfrentada a partir dos anos 2000, que só ganhou um novo capítulo em 2017, quando a Viação Nordeste passou a ser administrada por intervenção judicial. A concorrência com clandestinos tanto nas linhas estaduais, quanto interestaduais, afetou gravemente a Viação Nordeste e a diversas outras empresas potiguares, algumas das quais seguem em situação deficitária, e outras chegaram a encerrar suas operações.

Enquanto se manteve em operação, um dos DDs adquiridos da empresa 1001 foi um dos ônibus mais reformados pela Nordeste, recebendo atualizações constantes tanto em seu exterior, quanto no interior do veículo, para demonstrar um visual moderno. Em 2016, o ônibus que foi renumerado para 3757, passou a contar com novas modificações na carroceira, incluindo luzes traseiras do modelo urbano Millenium BRT, e mudanças na pintura, que ganhou pequenas listas nas cores cinza, branca e vermelha.

 

Atualmente, devido o alto custo dos veículos e o período que ainda é de dificuldades, a empresa não opera mais com veículos do tipo DD em sua frota. Entre os anos de 2017 e o início de 2019, chegou a contar com ônibus LD operando suas principais linhas interestaduais, porém, na atualidade, a frota é composta por diversos ônibus da linha G7, da Marcopolo, e mais recentemente, a empresa também passou a contar com o Campione, da Comil, em sua frota.


Fotos: Acervo
Vídeos: Álvaro Gonzales

Acesse:



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.